A Torre e Shakespeare



“(…) A majestade
Não sucumbe sozinha; mas arrasta
Como um golfo o que a cerca; é como a roda
Posta no cume da montanha altíssima,
A cujos raios mil menores coisas 

São presas e encaixadas; se ela cai,
Cada pequeno objeto, em consequência,
Segue a ruidosa ruína. “

In: Shakespeare, William, 1564-1616
Hamlet; tradução Barbara Heliodora, São Paulo: Abril, 2010, p. 144.

Imagem: A Torre, Medieval Scapini

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s